Autismo: A relação com certos alimentos

Voltar para página inicial

Crianças autistas podem se beneficiar com uma dieta sem glúten e caseína.

 Muitos médicos estão prescrevendo esta nova dieta, e pesquisas mostram que 8 em 10 crianças saem beneficiadas.

Há alguns anos, totalmente céticos, os médicos olhavam com desconfiança essa proposta. Mas agora, muitos indicam a dieta sem glúten e caseína para pelo menos três meses a cada criança, tempo este em que os pais têm a chance de observar mudanças comportamentais e se para melhor, prosseguir.

O glúten é uma fração de proteína encontrada no trigo, centeio, cevada, e a maioria dos produtos de aveia. A caseína é uma fração de proteína encontrada em todos os produtos lácteos. Para a maioria das crianças autistas, glúten e caseína agem em seus organismos como tóxicos. Eles passam para o intestino, não digeridos e chegam aos receptores no cérebro como opióides (caseomorfina, gluteomorfina) Essencialmente, muitas crianças autistas tem um comportamento como se estivessem “drogados” após o consumo de produtos contendo glúten e produtos lácteos,como se recebessem em doses minúsculas mas constante a morfina, por exemplo.

Embora os pais relatem uma ligação entre autismo e dieta durante décadas, somente agora se instala um crescente corpo de pesquisa que mostra que certos alimentos parecem estar afetar o desenvolvimento do cérebro de algumas crianças e causam comportamentos autistas.

Isso não é por causa das alergias, mas porque muitas destas crianças são incapazes de quebrar certas proteínas.

Investigadores na Inglaterra, Noruega, e na Universidade da Flórida já haviam encontrado peptídeos (produtos de degradação de proteínas) com atividade de opiáceos na urina de uma percentagem elevada de crianças autistas. Os opiáceos são as drogas, como a morfina, que afetam a função cerebral. Estes resultados foram recentemente confirmados por pesquisadores da Johnson & Johnson Ortho Clinical Diagnostics. Os dois autores principais parecem ser o glúten (proteína do trigo, aveia, centeio e cevada) e a proteína do leite (caseína).

Seu filho autista é viciado em trigo?

 ”Mas o leite e trigo são os dois únicos alimentos que meu filho come! Sua alimentação é completamente composta por leite, queijos, cereais, massas e pães. Se eu mudar sua dieta temo que ele que ele morra de fome”,

Esse foi o comentário emitido por uma mãe anônima em uma entrevista com Karyn Seroussi da Rede Autismo de intervenção dietética.

Karyn respondeu: “Pode haver uma boa razão para o seu filho amar estes alimentos e desejá-los intensamente, Opiáceos, são altamente viciantes. Se a explicação adicional aplica-se a seu filho, então ele é realmente viciado nos alimentos contendo as proteínas do agressor. Embora pareça que seu filho morrerá de fome, longe disto. Muitos pais relatam que, após uma retirada, os filhos tornam-se mais dispostos a comer outros alimentos. Após algumas semanas, muitas crianças surpreendem os seus pais, ampliando suas dietas.

Mas, meu filho vai ficar sem leite?

Fomos criados acreditando que o leite é essencial para uma boa saúde, em grande parte devido aos esforços da American Dairy Association, e muitos pais parecem acreditar que é seu dever de alimentar seus filhos com o leite de vaca. No entanto, muitas crianças perfeitamente saudáveis passam muito bem sem ele. O leite de vaca tem sido chamado de “nutriente mais superestimado do mundo” e “que só deveriam servir para os bezerros” Há mesmo indícios de que os hormônios presentes no leite de vaca realmente bloqueia a absorção de cálcio em humanos, mas, acredite, pesquisas mostram justamente o contrário, que devemos tomar leite para garantir nossa cota de cálcio. Ou seja, ainda demorará para termos uma visão clara e objetiva sobre esse assunto, já que sempre que se tenta derrubar uma potência (laticínios, trigo…) recebemos a resposta à altura. Mas se há indicação médica para a retirada da caseína, faça-o, independente das guerras de pesquisas, analise pelo bem que seu filho irá sentir. Remoção de leite significa todo o leite, manteiga, queijo, requeijão, creme azedo, etc Ele também inclui os ingredientes do produto, tais como “caseína” e “soro”, ou mesmo palavras que contêm a palavra “caseína”. Leia os rótulos – itens como pão e atum contêm frequentemente produtos lácteos. Mesmo queijo de soja geralmente contém caseinato.

-Como posso eliminar os milhares de produtos que contêm glúten?

Esteja disposta a tentar. Parece que dará trabalho, mas é somente questão de vontade. Farinhas de milho, arroz, amidos, quinoa e outras servem perfeitamente para substituir o trigo.

 Muitas pessoas perguntam se isso é realmente necessário. Entretanto, o que você precisa entender é que, para certas crianças, esses alimentos são tóxicos para o cérebro. Para alguns a remoção do glúten pode ser muito mais importante do que retirar os produtos lácteos. Ninguém daria conscientemente veneno para uma criança. Glúten e Caseína se encaixam nessa categoria. É possível que, para este subgrupo de pessoas com autismo, estes alimentos realmente danifiquem o cérebro em desenvolvimento.

Últimas recomendações:

 A Rede Autista de intervenção dietética recomenda que os pais utilizem a dieta sem glúten e caseína pelo menos por três meses. Pode demorar muito tempo que isto para ver os resultados, mas já dará para observar pequenas melhoras que o incentivarão a prosseguir. O glúten está em toda parte, escondidos em milhares de alimentos que você nunca pensaria: sopas, molhos, doces, cereais, pães, massas, biscoitos, etc Da mesma forma, caseína está presente em TODAS as formas de laticínios, incluindo, mas não limitados a, queijo , cremes, muitos molhos, manteiga, iogurte, sorvete, qualquer coisa com soro de leite, caseinato, etc.

Uma dieta livre de glúten e caseína é um desafio, mas pode fazer uma enorme diferença. Costumamos receber telefonemas em que os pais irrompem em lágrimas ao narrarem as melhoras observadas no seu filho. Não é incomum ouvirmos relatos de que uma criança autista fez contato visual com seu pai pela primeira vez, ou que ele / ela foi capaz de assistir a uma “escola normal” pela primeira vez. Um pai nos contou que seu filho de 4 anos de idade costumava ficar em um canto e bater com  cabeça na parede por horas à fio e que somente quatro semanas depois do início da dieta sem glúten/caseína ele foi capaz de jogar bola com outras crianças.

Não podemos dizer que todas as crianças sairão beneficiadas, mas nós da Gluten Solutions estamos absolutamente convencido de que a dieta FBCF ajuda a maioria das crianças autistas, muitos deles de forma bastante dramática e dentro de poucas semanas. Não há mal em tentar, deixe seu filho sem ingerir glúten ou caseína durante 3 semanas, e analise seu comportamento e saúde, havendo benefícios basta seguir adiante.

 Obs: As informações acima foram extraídas de http://www.glutensolutions.com nosso conselho para os pais de crianças autistas que queiram tentar a dieta isenta de glúten e caseína que o façam sob a orientação médica/nutricional.

Anúncios